Informações sobre o Batismo

Batismo é o sacramento de entrada na comunidade cristã. É a semente da vida em comunidade. Como toda semente, o batismo deve ser cuidado, adubado, regado, para que cresça e produza frutos. O Batismo vai se “realizando” durante a vida toda. A vida inteira a gente vai se fazendo cristão. Daí a importância do testemunho da família, dos padrinhos, da comunidade cristã, que juntos, devem respirar cristianismo, para tornarem-se uma escola de fé e fraternidade. Portanto, os pais e padrinhos, ao pedirem o Batismo para a criança, devem preocupar-se com a formação humana e religiosa de seu filho ou afilhado.

 

Clique aqui e faça o download do GUIA DE BATISMO DE CRIANÇAS PARA PAIS E PADRINHOS.

 

Curso de Batismo: Sempre na segunda sexta-feira do mês (exceto quando cai em feriado, quando é transferido para semana seguinte).

 

Dia do Batismo: todo terceiro domingo do mês às 10 horas

 

 

ORIENTAÇÕES DA PASTORAL DO BATISMO

 

A Pastoral do Batismo tem como finalidade orientar os pais e padrinhos da criança, para celebrarem o Sacramento do Batismo de maneira responsável, consciente e participada.

 

Quais são os passos para batizar uma criança na

Igreja Católica Apostólica Romana?

 

  1. O primeiro passo é contatar a Secretaria Paroquial com no mínimo 2 meses antes da data pretendida a fim de marcar a data do curso do Batismo – obrigatório para os pais e padrinhos. Ao mesmo tempo, é preenchida a ficha de pré-inscrição e agendada a entrevista dos pais com o Pároco ou Agente da Pastoral do Batismo.
  2. Após o curso do Batismo, que acontece na 2ª sexta-feira de cada mês, será agendada a entrevista com os pais da criança e se for necessário também com os padrinhos.
  3. Após feito o curso e a entrevista, não havendo nenhum impedimento, os pais farão a inscrição do Batismo na Secretaria da Paróquia no mínimo 1 semana antes da data do Batismo (O batismo será no mês seguinte ao do curso/entrevista).

 

O que sãos os sacramentos?

São sinais da graça de Deus, instituídos por Jesus Cristo, através dos quais recebemos a vida divina. “Como ‘forças que saem’ do corpo de Cristo (cf. Lc 5,17; 6,19; 8,46), sempre vivo e vivificante, ações do Espírito Santo em operação no seu Corpo que é a Igreja, os sacramentos são ‘as obras primas de Deus’ na Nova e Eterna Aliança (Catecismo da Igreja Católica, 1116). O próprio Jesus age nos sacramentos. Na pessoa do ministro que batiza, quem batiza é Cristo. Assim, em todos os sete sacramentos – batismo, eucaristia, crisma, reconciliação (confissão), matrimônio, ordem e unção dos enfermos – são ações de Cristo, acolhidos pelo Pai e realizado no poder do Espírito Santo.

 

O Que é o Batismo?

 

Pelo Batismo a Igreja atualiza o mandato do Senhor “Ide, portanto, e fazei que todas as nações se tornem meus discípulos, batizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19) é o sacramento que nos faz morada da Trindade. Para Paulo, o batizado é sepultado e ressuscitado com Cristo (Rm 6,3-4); nele atualiza-se o mistério pascal de Cristo Exigindo da comunidade a fé: “Quem crer e for batizado será salvo; quem não crer será condenado” (Mc 16,16).

O Batismo constitui o início da vida nova em Cristo. Ele configura a pessoa a Cristo, tornando-a filha de Deus. É um sacramento que perdoa os pecados, incorpora à Igreja, permitindo que o catecúmeno (batizando) seja membro do corpo místico de Cristo na comunidade que participa. É uma graça, um dom de Deu que não se repete.

“Por conseguinte, a Igreja nada tem de mais importante e de mais próprio do que despertar em todos, catecúmenos, pais e padrinhos dos batizados, aquela fé verdadeira e ativa, pela qual, dando sua adesão a Cristo iniciam e confirmavam o pacto da nova aliança”.[1] E como comprovam os documentos históricos, a Igreja sempre batizou crianças de pais cristãos, por causa da fé de seus pais e padrinhos.[2]

 

Os Pais

 

Aos pais cristãos católicos[3] “cabe a responsabilidade de pedir o Batismo para os seus filhos, isto é, o Sacramento que marca o ingresso na vida divina, na comunidade da Sua Igreja … Para os pais, esta é a primeira escolha educativa como testemunhas da fé em relação aos filhos: a escolha é fundamental! […] Educar é algo muito exigente, às vezes árduo para as nossas capacidades humanas, sempre limitadas. Mas educar torna-se uma missão maravilhosa, se for levada a cabo em colaboração com Deus, que é o primeiro e autêntico educador de cada homem”. (Bento XVI, Homilia na Celebração do Batismo do Senhor, 8 de Janeiro de 2012).

 

Os Padrinhos

 

Os Padrinhos assumem a responsabilidade de ajudar os pais a cumprir a sua missão de educadores na fé, “acreditando fortemente na presença e na obra do Espírito Santo […] com efeito, é Ele que ilumina a mente, aquecendo o coração do educador a fim de que saiba transmitir o conhecimento e o amor de Jesus”. (Bento XVI, Homilia na Celebração do Batismo do Senhor, 8 de Janeiro de 2012)

Critérios para se escolher dos padrinhos

Os pais devem levar muito a sério a escolha de bons padrinhos para os seus filhos. Nesta escolha, os pais não se devem guiar apenas por razões de “presentes”, parentesco, amizade ou prestígio pessoal. A escolha dos padrinhos deve ter em conta o desejo sincero de garantir aos filhos que os padrinhos possam ser capazes de influir, mais tarde, de modo eficaz, na educação cristã do afilhado.

Para que a graça batismal possa desenvolver-se, é importante a ajuda dos pais. Este é também o papel do padrinho ou da madrinha, que devem ser cristãos firmes, capazes e prontos a ajudar o novo batizado, criança ou adulto, em sua caminhada na vida cristã. A tarefa deles é uma verdadeira função (“officium”)[4] (Catecismo da Igreja Católica, n. 1255).

 

O número dos padrinhos

 

Cada criança pode ter um só padrinho OU uma só madrinha, OU então um só casal. Sempre poderão acompanhar outras testemunhas cristãs, que não os padrinhos, em acordo com o pároco.

 

Requisitos para ser padrinho/madrinha[5]

 

Tendo em vista que o padrinho ou a madrinha (ou o casal) escolhido deve ser uma pessoa que ajude o batizado a levar uma vida de acordo com o batismo recebido levem-se em conta os seguintes critérios:

 

  1. Ser escolhido pelos pais ou pelos responsáveis da criança.
  2. Ter completado os 16 (dezesseis) anos de idade[6].
  3. Ter capacidade para cumprir a missão própria dos padrinhos e o propósito de a realizar.
  4. Ser católico e ter recebido os sacramentos da iniciação cristã: Batismo, Primeira Comunhão (Eucaristia) e Crisma. O quanto possível, que participe da comunidade católica a qual pertence. Pois, o padrinho/madrinha deverá ser desde o início um “exemplo” para o afilhado(a).
  5. Que não sejam pai ou mãe daquele (a) que é batizado.
  6. Se os padrinhos forem casados, que o casamento tenha sido realizado na Igreja, isto é, tenham celebrado o Sacramento do Matrimônio (casamento cristão).

 

Batismo de filhos de mães e pais

solteiros e casais amasiados

 

A Igreja não tem o direito de negar o Batismo a ninguém que lhe venha pedir. Por um motivo pastoral, contudo, exigirá algumas condições tais como:

 

a. Pedir garantia de que a criança seja educada na fé cristã e católica;

b. Certifica-se de que o padrinho e madrinha escolhidas sejam aptos e tenham condições de desempenharem sua função adequadamente (conforme os critérios acima);

c. Encaminhar os casais de união consensual para o casamento religioso, se o desejarem e se for possível;

d). Em todos casos, sempre se agirá com os critérios da caridade cristã.

Algumas questões práticas a ter em conta antes do Batismo

 

a)      Da inscrição

 

Seguir os passos apresentados no início desse folder e tratando-se de situações irregulares, a inscrição seja feita após entrevista com o pároco ou com agentes da pastoral do batismo, devidamente preparados para instruir em cada caso.

 

 

b)     Os fotógrafos

 

Os pais podem escolher o fotógrafo que desejarem. Contudo, os fotógrafos devem fazer o seu trabalho de forma discreta e conversar com o padre ou diácono antes da celebração.

 

c)      Transferências de Batismo

 

Quando o Batismo vai ser realizado noutra paróquia (diferente da paróquia de residência dos pais da criança), tem de haver um pedido de transferência. Nestes casos, os pais também devem marcar, na Secretaria Paroquial, um encontro com o pároco. As transferências de Batismo obedecem a critérios específicos que devem ser respeitados.

 

d)     Catequese

 

Você gostaria de participar mais na comunidade cristã católica? Gostaria de receber os Sacramentos? Entre em contato conosco e faça sua inscrição – 53-3232-5119.

 

Catequese de Primeira Eucaristia (9 a 13 anos)

Catequese de Crisma (14 a 17 anos)

Catequese de Adultos (batismo, eucaristia/comunhão e crisma) – (acima de 18 anos)

 

FONTES

Sagrada Escritura (Bíblia) * Diretrizes para a Pastoral do Batismo da Diocese de Rio Grande (2003) * Catecismo da Igreja Católica (nn. 1213-1284) * Código de Direito Canônico (Cân. 864-878)


[1] A Iniciação Cristã; in: RB, n. 3.

[2] RB, n. 2.

[3] Os pais sejam também batizados e, na medida do possível, tenham recebido também o Sacramento da Crisma e do Matrimônio (Casamento na Igreja). Se o batismo é importante para os filhos, os outros sacramentos também são importantes para os pais.

[4] Cf. Cân. 872-874.

[5] Conforme o estabelecido pelo Cânon 874 do Código de Direito Canônico e Diretrizes para a Pastoral do Batismo da Diocese de Rio Grande

[6] Exceções – quanto a idade – SOMENTE se o padrinho/madrinha escolhido tiver recebido o Sacramento da Crisma antes de ter completado 16 anos de idade.

 

Documentos Necessários

– Certificado do Curso de Batismo dos pais e padrinhos.

– Fotocópia certidão de Nascimento da criança.

– Fotocópia comprovante de residência da criança (em nome dos pais ou cópia do contrato de aluguem em nome dos pais).

– Fotocópia certidão do Casamento Religioso dos Padrinhos se forem casados (fotocópia).

– Fotocópia identidade dos padrinhos

– Fotocópia da Lembrança de Crisma – ou primeira Eucaristia – dos padrinhos

Observações: 1) casos “irregulares” precisam ser tratados diretamente com o Pároco. 2) A entrevista e o curso devem ser feitos antes de confirmar a inscrição do Batismo.

Porque a Igreja cobra espórtulas e taxas? – Para saber porque CLIQUE AQUI.

Deixe um comentário