Celebrações da Esperança

Encomendação ou Exéquias

Atualmente são poucos os padres e diáconos atuando em nossas comunidades, por isso, é importante que se procure agendar com certa antecedência a celebração de “encomendação” para evitar algum tipo de sofrimento desnecessário para a família.

A Diocese de Rio Grande está criando a “Pastoral da Esperança” e, aos poucos, leigos e leigas com formação apropriada, passarão a atuar como “ministros da esperança” para realizar estas celebrações.

Para maiores informações, abaixo segue um pequeno texto sobre a celebração da esperança e, em seguida, os telefones dos diáconos e das paróquias para agendar a celebração.

 

Índice

  1. Nossa Páscoa: ritual popular de Exéquias (encomendação)
  2. Telefones para agendar a encomendação

 

NOSSA PÁSCOA

Ritual Popular de Exéquias
Pe. Marcelino Sivinski

As exéquias são ritos e orações com os quais a comunidade cristã acompanha seus mortos e os encomenda a Deus. Em todos os povos e em todos os tempos encontram-se ritos relacionados com os defuntos e com os que choram a morte de algum familiar.

Para os cristãos “a vida não é tirada, mas transformada. E, desfeito o nosso corpo mortal, nos é dado nos céus um corpo imperecível” (Prefácio dos Defuntos I). O Concílio Vaticano II determinou que “o rito das exéquias volte a exprimir mais claramente a índole pascal da morte cristã”. Determinou também que corresponda melhor às condições e tradições das diversas regiões (cf. SC 81). Atenta a este princípio orientador da Igreja, a Sagrada Congregação para o Culto Divino, em 15 de agosto de 1969, promulgou o novo Ritual de Exéquias, traduzido e publicado no Brasil em 26 de abril de 1971, com esta clara orientação: “Celebrando as exéquias de seus irmãos, cuidem os cristãos de afirmar a esperança da vida eterna; mas façam isso de tal forma que não pareçam ignorar ou desprezar a mentalidade e o modo de agir dos homens do seu tempo e região, no que se refere aos mortos. Aceite-se de bom grado o que houver de bom nas tradições familiares, nos costumes locais e nos serviços das empresas funerárias; o que, porém, estiver em contradição com o Evangelho, procure-se transformar, de modo que a celebração das exéquias cristãs manifeste realmente a fé pascal e o espírito do Evangelho” (Introdução do Ritual de Exéquias, n.2).

A Dimensão Litúrgica da CNBB fez um trabalho no sentido de adaptá-lo ao Brasil, na perspectiva da inculturação, após uma demorada pesquisa para recolher todas as experiências existentes nas comunidades do Brasil sobre o modo de celebrar a despedida de pessoas da comunidade: orações, cantos, incelências, ofícios, rituais populares, inclusive, muito antigos onde os ministérios leigos são valorizados e exercem uma função bem determinada.

O texto se compõe de três celebrações para o velório, inspiradas na Celebração da Palavra, no Ofício Divino das Comunidades e na Vigília Pascal. Contém celebrações para a encomendação e para o sepultamento. Uma das celebrações está prevista para os casos de cremação. Como se afirma na introdução, “em tudo há um grande esforço de valorizar os símbolos, numa linguagem orante e adaptada à sensibilidade do povo brasileiro”.

O Ritual Popular de Exéquias, intitulado Nossa Páscoa, editado pela Paulus, encontra-se ä venda nas livrarias católicas. É uma excelente ajuda na organização de celebrações por ocasião de velórios e sepultamentos, normalmente presididas por leigas e leigos, na perspectiva de recuperar e aprofundar o sentido pascal da morte dos cristãos.

Fonte: CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Observação 1: para a celebração das Exéquias/ da Esperança/ da Encomendação não existe uma “taxa” estabelecida, mas a família pode fazer uma oferta espontânea para a pessoa que foi celebrar.

Observação 2: em geral, alguém da família busca a pessoa que irá presidir a Celebração da Esperança e, ao mesmo tempo, se for uma pessoa desconhecida do celebrante, fala um pouco sobre a pessoa, a família…

 

DIOCESE DO RIO GRANDE
Pastoral da Esperança

“Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim não morrerá jamais”. (Jo 11,25)

Contatos para Celebrações de Encomendação:

De segunda à sexta-feira:
Centro Diocesano de Pastoral
Horários: 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 18h
(53) 3231.4066 – Srª Dulce ou Srª Iara

Sábados Domingos e Feriados:
(53) 8111.2780 – Diác. João Maiato
(53) 9962.0032 – Diác Cláudio Nascimento

O Ministério da Esperança é a presença e a ação da Igreja Católica nos cemitérios, nas salas de velórios e capelas mortuárias. Seu objetivo é levar, através do Evangelho uma mensagem de fé e esperança e consolar a todos aqueles que sofrem a perda do ente querido, seja ou não católico.

Pedimos a gentileza de solicitar a encomendação até duas horas antes do sepultamento.

 

Outras Paróquias e Comunidades

Obra Missionária Virgem do Carmo Peregrina (Centro)
(53) 3035.4873

Paróquia São José (São José do Norte-RS)
(53) 3238.1136

Paróquia São Luiz Rei (Mostardas – RS)
(53) 3673.1242

Paróquia Santa Vitória (Santa Vitória do Palmar – RS) e Comunidade Santa Teresinha e Santo Antônio (Chuí-RS)
(53) 3263.1859

Deixe um comentário